Alongamento e Reconstrução Óssea

Guia do Paciente

Prezado Paciente,

Você foi, ou será submetido a um procedimento cirúrgico com o uso de um fixador externo composto de um conjunto que compreende pinos metálicos fixados ao osso e de outros componentes, localizados externamente.

Para melhores resultados e seu maior conforto queremos indicar-lhe alguns cuidados e também dar-lhe explicações sobre o uso do aparelho, o que se faz necessário nesse momento.

Acompanhamento Psicológico

O candidato à cirurgia passa por uma consulta com o psicólogo da equipe na qual será abordada todos os tópicos relacionados com a patologia e o manejo das dificuldades durante o tratamento, tais como; manejo da dor, movimentação, relacionamento no trabalho ou na escola com o uso do fixador externo, etc.

Nos casos de alongamento por baixa estatura é mais importante ainda o acompanhamento psicológico, que é realizado durante a internação e no ambulatório.

O psicólogo acompanha alguns pacientes na sala de cirurgia e, portanto, tem uma perfeita noção dos procedimentos o que facilita a sua avaliação e cuidado.

Cuidados Domiciliares

Uma série de práticas faz com que as tarefas do dia a dia sejam mais fáceis durante o tratamento.

Os pacientes são estimulados a movimentarem-se e caminharem durante todo tratamento, com auxilio de muletas. Para tal, alguns ajustes deverão ser feitas na residência para maior facilidade de locomoção, bem como orientações para o banho, subir e descer escadas, curativos, etc.

As orientações serão passadas aos pacientes e familiares através do guia do paciente.

Curativo

Para evitar inflamação ou infecção são necessários que, além do curativo da ferida operatória, alguns cuidados especiais sejam dados ao ponto onde os pinos e fios penetram a pele.

  • A limpeza deve ser diária, com água, sabão neutro (coco, glicerina ou Sabofen), soro fisiológico e/ou clorexidine a 2%.
  • Devem ser evitados Iodo, Povidine, Merthiolate, pomadas ou cremes diversos, sem o conhecimento do seu médico. Depois da limpeza cuidadosa devem ser envolvidos com gaze estéril.
  • O fixador pode ficar aparente, não necessitando de cobertura com ataduras a não ser nos primeiros dias após a cirurgia.
  • A crosta que se forma entre o pino e a pele é normal, mas deve ser removida a cada limpeza com gaze ou cotonete.
  • Se houver secreção nos pinos, o curativo deverá ser feito mais de uma vez ao dia.
  • Não esqueça de lavar bem as mãos antes do curativo!

Problemas

Durante o tratamento é normal ocorrer uma secreção clara e transparente, na junção pino/pele, que se transforma em casca e que deve ser removida a cada curativo. Os sinais de infecção superficial são: calor, vermelhidão, dor e secreção com pus. Neste caso a limpeza deve ser mais enérgica como se massageando o local com sabão neutro ou clorexidine a 2%. Se a infecção persiste, não se assuste, e entre em contato com seu médico que lhe receitará antibiótico via oral por alguns dias. Não é incomum acontecer uma infecção superficial nos pinos durante o tratamento.

Banho

O banho diário com sabão neutro, ensaboando a pele ao redor dos pinos está autorizado logo que a ferida cirúrgica cicatrizar. O fixador pode ser molhado com água corrente.

Os banhos de piscina ou água do mar não são recomendados pelos efeitos corrosivos sobre o fixador, bem como pela possibilidade de contaminações na entrada dos pinos.

É permitido o uso de piscinas que utilizem sal marinho ao invés de cloro.

Fisioterapia e Movimentação

Fisioterapia e MovimentaçãoA fisioterapia é um dos pontos mais importantes do tratamento e, muitas vezes, inicia antes mesmo do tratamento cirúrgico, se existirem retrações musculares importantes. É bom lembrar que os músculos sofrem um encurtamento relativo durante o processo de alongamento ósseo.

O paciente não deve ficar no leito, durante o tratamento, e a marcha, com apoio parcial com muletas, é recomendada e estimula a formação óssea. O paciente deve fazer exercícios diários de flexão e extensão das articulações que estão acima e abaixo do segmento operado, bem como em todo corpo. O médico orientará quanto de carga deve ser dado ao membro operado, dependendo de cada caso.

Atenção: Caminhar estimula o osso e encurta o tempo de uso do fixador!

Vestuário

Use roupas leves.

Pelo fato do fixador externo ser, por vezes, volumoso, dependendo da situação, é conveniente o uso de roupas adequadas que facilitem a realização dos curativos e a locomoção do paciente. As roupas devem ser mais folgadas que o usual. Calças largas ou de abrigo abertas e com “velcro” facilitam muito o manejo.

Escola

Durante o tratamento, os pacientes em idade escolar podem frequentar as aulas embora não seja indicado o acesso a escadas por razões de segurança e a locomoção é feita com o uso de duas muletas.

Medo

Não encare o fixador como um monstro agarrado à sua perna, veja-o como uma solução para o seu problema, como uma parte integrante, mas provisória, do processo de tratamento que será removida tão logo seu papel seja cumprido. Confie e colabore!

Dor

Normalmente, o fixador não dói. Quando a dor surge, pode ser em função de afrouxamento de pino ou infecção no seu trajeto. Não se automedique, procure a orientação do seu médico.

Pré-montagem

Dependendo do tipo de fixador a ser utilizado, fazemos a pré-montagem, no dia anterior, o que diminuirá o tempo do procedimento cirúrgico e possibilitará ao paciente um exato conhecimento e contato com o aparelho que o acompanhará nos próximos meses. Isto é especialmente importante tratando-se de crianças.

Retirada

O fixador será retirado quando chegar o momento certo indicado pelo RX e testes de marcha. Normalmente, ele é dinamizado para que o paciente caminhe com carga total sobre o osso e, só então, o fixador será retirado. Dependendo do tipo de fixador o procedimento poderá ser feito em ambulatório e sem anestesia. De qualquer forma, não é necessária internação para a retirada de qualquer modelo de fixador.

Recomendações Gerais
  • Evite fumar, o fumo atrasa a consolidação óssea.
  • Evite antiinflamatórios, siga apenas as instruções do seu médico.
  • Se necessário, use analgésicos comuns.
  • Alimente-se normalmente. Não existe dieta especial.
  • Se tomar bebidas alcoólicas, faça-o moderadamente.
  • Dentro do possível, procure levar a vida que levava antes de usar o fixador.

Desejamos a você um pronto restabelecimento!

O Que Dizem Nossos Pacientes

“Desculpem a demora, mas como já te expliquei, escrever é um dos meus prazeres”. Se julgarem muito longo, estão desde já autorizados pela humilde autora, a suprimir trechos, sintam-se à vontade (pois está bem mais longo, do que duas linhas).

Se tivesse que descrever aqui...”

maisLucilene Severo Rodrigues
24 de fevereiro de 2012

Porto Alegre Health Care